Governança Colaborativa e Pandemia: análise dos comitês estaduais de enfrentamento à Covid-19

DOCUMENTAÇÃO

Tema: Evidências científicas e relatos de experiência sobre Covid-19

Acessos neste artigo: 2


Certificado de publicação:
Certificado de Angela Cristina Rocha de Souza

COMPARTILHE SEU TRABALHO

AUTORIA

Ionete Cavalcanti De Moraes , Maria Iraê De Souza Corrêa , Fábio Vieira José Duarte Filho , Mirella Patrícia Bonfim Neves , Angela Cristina Rocha De Souza

ABSTRACT
A pandemia que se instalou no mundo, em decorrência da Covid-19, vem gerando crises em todos os países. No Brasil, as unidades da federação (UFs) instituíram comitês, de enfrentamento dessa crise, compostos por diferentes agentes do setor público e privado. A literatura acadêmica tem apontado a governança colaborativa como um mecanismo capaz de contribuir para soluções de problemas complexos. De acordo com isso, o objetivo geral desta pesquisa é analisar, sob a perspectiva da governança colaborativa, a composição dos comitês que os governos estaduais e o Distrito Federal constituíram para tratar dos problemas advindos da COVID-19. Para isso, foi realizado um levantamento de informações sobre a formação dos comitês, nos portais eletrônicos oficiais e na imprensa local. Os resultados mostraram que existe uma regularidade na composição dos comitês em estudo que são basicamente formados pelo setor público, por órgãos do Poder Executivo e da esfera estadual que atuam nas áreas de saúde, economia e gestão executiva. Diante disso, concluímos que essa composição não atende os princípios da diversidade e representatividade da governança colaborativa, haja vista a reduzida presença nos comitês de participantes não pertencentes ao setor público.

Para participar do debate deste artigo, .


COMENTÁRIOS
Foto do Usuário Cassiane Chais 09-02-2021 12:50:35

Artigo muito interessante, e com uma contribuição para avaliação de momentos de crise enfrentados no país, parabéns pela iniciativa. Sugiro retirar do texto palavras na terceira pessoa que devem ser evitadas em textos científicos, ex: podemos, devemos, faremos....substituir por: pode-se, deve-se....

Foto do Usuário Hermes Oliveira Gomes 09-02-2021 12:50:35

o artigo poderia ser mais amplo na revisão bibliográfica, apresentando conceitos de participação social nas politicas publicas, papel dos concelhos de saúde estaduais e locais, entre outros. Pois se já tem um estrutura organizada e legitima de representatividade coletiva, por que justificaria construir novas estruturas, totalmente desproporcional em sua constituição paritária. Nas questões técnicas, as citações indiretas em fim de texto deve ficar em caixa alta, sugiro ver normas da ABNT. Em termos de recorte temporal de estudo, observei que foi feita a analise de dados até meados de abril, mais já tinha possíveis atualizações de maio, junho que poderia atualizar o trabalho deixando mais robusto e com pouca margem de erro nos dados analisados. Na metodologia usa-se palavras chave de buscas que diferem muito das próprias palavras chave do artigo, isso deixa contradições no trabalho. Os resultados são pouco expressivos, poderia pormenorizar as analise, de forma que entenderíamos a composição dos comitês por estados, podendo até correlacionar os dados entre si. A conclusão do trabalho também foi muito singela, não apresentando de fato a compreensão dos autores com os achados da pesquisa. Em fim, o trabalho e de poucas laudas e ainda pode ser desenvolvido melhor para chegar a um patamar mais competitivo em revistas e periódicos. Parabéns !

Foto do Usuário Clenis Evila Silva Dos Santos 09-02-2021 12:50:35

A discussão dos resultados poderia ser mais ampla e aprofundada.

Temática muito relevante para o cenário vivenciado no momento. Sugiro, apenas uma revisão de literatura mais robusta e maior aprofundamento nos resultados obtidos.