UMA DISCUSSÃO SOBRE A FORMAÇÃO DA AGENDA PÚBLICA À LUZ DAS CRÍTICAS DE SCHUMPETER À DEMOCRACIA CLÁSSICA

DOCUMENTAÇÃO

Tema: Administração Pública

Acessos neste artigo: 2


Certificado de Publicação:
Não disponível
Certificado de Participação:
Não disponível

COMPARTILHE SEU TRABALHO

AUTORIA

Ricardo Junior De Lima , Stella De Mello Alves , Rosane Maria Alencar Da Silva

ABSTRACT
Este estudo busca analisar a formação da agenda pública, uma das fases iniciais do Ciclo de Políticas Públicas, cuja importância deriva do fato de ser neste momento que os temas prioritários são escolhidos para compor a agenda governamental. A análise questiona a validade da participação popular no processo de agenda-setting à luz da teoria schumpeteriana da democracia. O método de análise baseou-se em um estudo bibliográfico analítico entre as críticas da Teoria da Democracia de Schumpeter e o Ciclo de Políticas Públicas. Infere-se deste estudo que, segundo Schumpeter, incube à população de massa unicamente a escolha do líder político, a quem deve ser delegada a seleção dos problemas públicos que serão incluídos na agenda pública.

Para participar do debate deste artigo, .


COMENTÁRIOS
Foto do Usuário Isabel Teófilo 09-02-2021 12:50:35

Artigo apresentou temática atual e relevante, com a utilização de metodologia coerente com os propósitos do trabalho. Resultados alinhados com os objetivos foram satisfatórios. Assim sendo, na percepção schumpeteriana implica que para o método produza efeito na seleção de líderes pelo voto do povo, haveria a necessidade da integração equilibrada e aceitação política de tal arranjo?

Foto do Usuário Ione Ferreira Guimaraes 09-02-2021 12:50:35

Sugestões: 1. Manter a padronização da citação da obra Capitalismo, Socialismo e Democracia, em que na primeira não tem destaque e a segunda está entre aspas, penso que seria ideal colocar o ano da obra; 2. Substituir poder por pode na frase: Esse grupo não poder ser demasiadamente exclusivo nem excessivamente aberto; e conseguem por consegue na frase: uma vez que não conseguem ter seus anseios básicos por serviços públicos de qualidade atendidos; 3. No último parágrafo das considerações finais, poderiam ter exemplificado quais autores divergem de Schumpeter para não ficar em aberto; 4. No caso do Brasil, poderia citar ao menos que dentre tantas possibilidade de escolhas das políticas públicas, ao menos os gestores públicos deveriam atender ao básico que está acordado na Constituição Federal, uma vez que o intuito da carta magna, poder maior, é o acordo de garantia dos direitos e deveres entre a população e os governantes.

Foto do Usuário Carlos Henrique Maciel Cabral 09-02-2021 12:50:35

Temática relevante e atual. Artigo conciso, claro e objetivo. O assunto é apresentado e desenvolvido de forma coerente e sequencial, abordando os aspectos teóricos mais relevantes. A discussão acerca da visão de Schumpeter sobre a democracia é bem conduzida, nos fazendo refletir sobre a atual conjuntura política nacional. A conclusão foi bem elaborada, respondendo à pergunta da pesquisa. Como sugestão, o aprofundamento da discussão do tema, incorporando estudos de caso ilustrativos. Por fim, faz-se o seguinte questionamento: afinal de contas, a visão schumpteriana de democracia prevalece sobre as demais?

Foto do Usuário Marcilio Barbosa Do Nascimento 09-02-2021 12:50:35

Artigo atual e relevante. Discute de forma linear, clara e objetiva aspectos relevantes da temática abordada. Os aspectos defendidos por Schumpeter ficam claros nas alternâncias de poder, quando são observadas drásticas mudanças de direcionamento nas agendas das políticas públicas. Dessa forma, faz-se o questionamento: a visão schumpteriana que não deve haver participação popular direta no processo de formação da agenda, tendo em vista que os eleitos tem seus próprios interesses, não restringiria ainda mais ao atendimento da pluralidade de anseios populares?