INFLUÊNCIA DA POPULAÇÃO DE PLANTAS NO ACAMAMENTO DE HÍBRIDOS DE MILHO.

DOCUMENTAÇÃO

Tema: Agricultura

Acessos neste artigo: 3


Certificado de Publicação:
Não disponível
Certificado de Participação:
Não disponível
AUTORIA

Felipe Ruan Marinheiro Silva

ABSTRACT
As recentes modificações nos genótipos de milho justificam a necessidade de reavaliação das recomendações da densidade populacional. Deste modo, o objetivo deste trabalho foi avaliar a resposta produtiva de 10 híbridos de milho à diferentes populações de plantas. Os 10 híbridos comerciais de milho foram avaliados em 3 Experimentos. O Experimento 1 foi realizado na safra de 2017/2018, na Estação Experimental do Aeroporto, em Viçosa-MG (UEPE – Aeroporto; 20° 45? 17? S, 42° 52? 57? W; altitude 663 m). Os Experimentos 2 e 3, foram realizados na Estação Experimental de Coimbra, em Coimbra-MG (UEPE – Coimbra; 20º 50’ 30” S, 42º 48’30” W; altitude de 720 m) nas safras 2017/2018 e 2018/2019, respectivamente. Cada experimento foi realizado sob o delineamento em blocos casualizados com 3 repetições em esquema de parcelas subdivididas. Cada parcela foi constituída de 4 linhas de 4 metros de comprimento, espaçadas em 0,80 m. Para exclusão do efeito de borda e garantia do efeito da população de plantas utilizada em cada subparcela, foram considerados apenas 2 metros das duas linhas centrais, de modo a obter área útil de 3,2 m2. As parcelas foram constituídas pelos híbridos (P4285YHR, BM915PRO2, DKB390PRO3, BG7049YH, P1680VYH, BM709PRO2, BG7061YHR, MG711PW, DKB230PRO3, 2B210PW), em que três são classificados como super precoces, dois como hiper precoces e cinco como precoces. E as subparcelas foram constituídas das populações de plantas (50.000, 60.000, 70.000, 80.000, 90.000 ou 100.000 plantas ha-¹). Nos 3 Experimentos, a semeadura foi feita na primeira quinzena de novembro dos respectivos anos agrícolas, e foi realizada com a utilização de matracas e com auxílio de réguas feitas de bambu demarcadas (uma para cada população de plantas), sendo utilizadas duas sementes por cova e o excedente foi desbastado manualmente para se chegar na população de plantas desejada. O caractere avaliado foi diâmetro de colmo (DC, mm) e altura de planta e de inserção da primeira espiga (AP e AE, cm). A adubação de plantio foi realizada conforme as recomendações técnicas para a cultura do milho e com base na análise química do solo. No Experimento 1 aplicou-se 450 kg ha-1 do formulado 4-14-08, no Experimento 2, 400 kg ha-1 do formulado 08-28-16 e no Experimento 3 aplicou-se 250 kg ha-1 do formulado 04-30-16. Já adubação de cobertura foi realizada no estádio V4 e a dosagem foi definida com base na produtividade de grãos esperada. No Experimento 1 e 2 aplicou-se 116,6 kg ha-1 de N em cobertura e no Experimento 3 aplicou-se 51,21 kg ha-1 de N em cobertura. Os demais tratos culturais foram realizados de acordo com as recomendações técnicas para a cultura do milho. As análises foram feitas utilizando o software R. Nos 3 Experimentos, os dados avaliados foram submetidos a uma análise de variância (ANOVA). A análise de variância foi realizada com emprego do software R através do pacote ExpDes.pt a 5% de significância. Para os híbridos foi realizado um teste de agrupamento de médias de Scott-Knott. Para as populações de plantas foi usado o modelo de regressão que mais explicou as variações encontradas, cujos coeficientes foram testados pelo teste T de Student. Os dados foram submetidos à análise de variância de acordo com o seguinte modelo estatístico: yijk= µ + ????k + ????i + ????j + ????????ij + ?ijk em que: µ: média geral; ????k: efeito de bloco (k = 1, 2 e 3); ????i: efeito de híbrido (i = 1,2, ..., 10); ????j: efeito da população de plantas (j = 50, 60, ..., 100.000 plantas ha-1); ????????ij: efeito da interação do i-ésimo híbrido com a j-ésima população de plantas; ?ijk: erro experimental aleatório associado ao valor observado yijk, isto é, ?ijk ~ N (?; ?²).  O coeficiente de variação experimental foi de 2,99 a 17,89%, o que indica que houve boa precisão experimental. Para DC, nos Experimentos 1 e 3 não foi observada a interação híbridos x população de plantas. Os híbridos MG711PW e BM709PRO2 obtiveram as maiores médias nos Experimentos 1 e 3, respectivamente. No Experimento 1 não foi ajustado uma equação com sentido biológico que descrevesse a relação dos efeitos populacionais nos híbridos estudados. Entretanto no Experimento 3 observa-se a tendência de diminuição na média com uso de maiores populações de plantas. No Experimento 2 foi observada a interação híbridos x populações de plantas para DC. Em que o híbrido BG7049YH apresentou ponto de máximo em 70.000 plantas ha-1, o híbrido DKB230PRO3 obteve a maior média em 50.000 plantas ha-1 e apresentou ponto de mínimo. Os híbridos P1680VYH, P4285YHR, DKB390PRO3, MG711PW e BM915PRO2 apresentaram as maiores médias em 50.000 plantas ha-1 e diminuíram as médias de DC à medida que se aumentou o adensamento da população de plantas. Para AP e AE, não foram observadas interações entre híbridos x populações de plantas em nenhum dos 3 experimentos. No Experimento 1, 2 e 3, para ambas variáveis respostas, o híbrido BM709PRO2 obteve as maiores médias. Já o efeito de maiores populações de plantas foi significativo somente para AE no Experimento 3, com o efeito de aumento de médias. Além disso, pode-se observar maiores médias de AP e AE em híbridos menos precoces. O que é explicado pelo maior tempo de acumulo de fotoassimilados e crescimento celular. A susceptibilidade ao acamamento e quebramento de plantas de milho é de extrema importância para o cultivo. Haja vista que as plantas de milho podem proporcionar armazenamento dos grãos a campo, pelo motivo da proteção das espigas pela palhada. Plantas de porte mais baixo e colmo mais grosso são capazes de suportar maiores velocidades de vento após a senescência e/ou a maturação fisiológica dos grãos, de modo a permitir o produtor rural maior flexibilidade no planejamento da colheita. É explicado que o acamamento é relacionado com menores DC e maiores AP e AE, através do aumento da relação AE/AP, que ocorre devido a maior expressão da dominância apical. Essas respostas são comumente observadas em experimentos de altas populações de plantas em híbridos de milho. Dado o exposto, conclui-se que com o aumento das populações é aumentado as taxas de acamamento. Portanto cabe ao engenheiro agrônomo, ao fazer recomendações sobre a população de plantas, levar em conta o aumento das taxas de acamamento e encontrar a população ótima de plantas.

Para participar do debate desse artigo, .


Comentários
Foto do Usuário Andrey Luis Bruyns De Sousa 09-02-2021 12:50:35

O trabalho encontra-se bem escrito de um modo geral, apesar do formato utilizado não permita explorar melhor os dados, e resultados obtidos.

Foto do Usuário Larissa Pacheco Borges 09-02-2021 12:50:35

É um bom trabalho, porém, a forma com foi apresentado deixou a desejar principalmente na discussão dos resultados.

Foto do Usuário Ana Karoline Silva Sanches 09-02-2021 12:50:35

O trabalho esta bem escrito e é um tema muito interessante e atual. Contudo poderia ser dividido com introdução, matérias e métodos e resultados para melhor compreensão da leitura.

Foto do Usuário Rutielly Maria Rodrigues Alves 09-02-2021 12:50:35

Um trabalho interessante e de contribuição para a área.